user preferences

New Events

Brazil/Guyana/Suriname/FGuiana

no event posted in the last week

O Brasil em transe reacionário: a luta das mulheres e os neoconservadores

category brazil/guyana/suriname/fguiana | community struggles | opinião / análise author Tuesday November 10, 2015 08:38author by BrunoL - 1 of Anarkismo Editorial Groupauthor email blimarocha at gmail dot com Report this post to the editors

09 de novembro de 2015, Bruno Lima Rocha

Introdução

Neste texto, uma mescla de análise de conjuntura da crise política envolvendo o presidente da Câmara Eduardo Cunha (PDMB-RJ) e trazendo o tema da luta das mulheres como a massificada mobilização permanente das políticas de reconhecimento, trago uma proposta de análise relacional. Começo relatando de forma sintética aspectos da reação midiático-simbólica ao conteúdo do exame do ENEM de 2015 e culmino observando as pautas conservadoras e obscuras capitaneadas pela bancada neoconservadora em sua frente político-religiosa (cujos líderes são representantes neopentecostais).

Em São Paulo assim como em dezenas de outras cidades, repetem-se marchas de mulheres contra a reação neoconservadora e neopentecostal.
Em São Paulo assim como em dezenas de outras cidades, repetem-se marchas de mulheres contra a reação neoconservadora e neopentecostal.


O país que está à direita do ENEM

No fim de semana de 20 e 21 de outubro, o país realizou o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Nesta avaliação universal que pode dar acesso a universidades públicas e privadas, ao menos três questões chamaram a atenção da direita mais ideológica. Destas, a que mais chamara atenção da UDN pós-moderna e o novo obscurantismo na era da internet partiu de uma frase consagrada da existencialista Simone de Beauvoir: “a mulher não nasce mulher, se torna mulher”. Outras duas questões tinham como base citações do maior geógrafo da história brasileira, Milton Santos, e outra, um poema do líder da libertação de Angola, Agostinho Neto. Atenderam ao ENEM mais de sete milhões de pessoas, a imensa maioria composta de jovens entre 15 e 20 anos. Assim, ao menos uma boa parcela de estudantes em idade formativa esteve exposta a temas políticos fundamentais para a compreensão de temas contemporâneos.

A reação não se fez por esperar. Na segunda feira dia 22 de outubro os comentaristas de sempre, em escala nacional e nos estados já gritavam acerca do caráter “bolivariano” do Exame. Sinceramente, não vi bolivarianismo algum, apenas a sintonia com temas do presente, considerando que estamos vivendo há mais de uma década onde há uma sincronia de duas tímidas políticas: as compensatórias e as do reconhecimento. Ideologicamente, o pacto do lulismo é conservador, e se formos observar em detalhe os dirigentes históricos do PT vinculados a este projeto temos uma enorme incidência de gente corrompida, vivendo de luxúrias e com estilo vida semelhante aos antigos adversários políticos e inimigos de classe quando o ex-sindicalista que segundo ele mesmo nunca foi de esquerda ainda agitava a luta dos trabalhadores. Ainda assim as tímidas políticas compensatórias e de reconhecimento atiçaram às elites brasileiras ecoando no conservadorismo de toda ordem, incluindo a legião de neopentecostais a professar a Teologia da Prosperidade e o Conservadorismo Moral. Não tardou para a luta das mulheres passar a ser alvo permanente das várias UDNs e TFPs pós-modernas recheando a internet brasileira.

No período logo após o Enem tivemos fatos midiáticos que resultaram em fatos políticos. No interior de São Paulo, um promotor chama “Simone de Beauvoir” de “baranga” e relaciona sua posição com o fato de ser – em tese e como se isso importasse – pouco atraente aos homens. Na mesma sequência, o eterno demente reacionário Danilo Gentili veicula em rede nacional e compartilha um de seus comandados fazendo uma verdadeira ode misógina simulando uma redação perfeita para tirar 10,0 no Enem. A semana culmina com a postagem de um admirador rio-grandense de Gentili fazendo bravatas na internet e agindo como provocador na 1ª Feira do Livro Feminista e Autônoma de Porto Alegre.

Esta última provocação fez parte de um enredo ainda mais agressivo que terminara com a Brigada Militar tentando retirar as militantes de uma praça que ocupavam para ensaiar esquete teatral a ser encenada na Feira do Livro de Porto Alegre no dia 02. Após a covarde agressão, a intervenção na Feira do Livro – no centro da capital gaúcha – foi uma marcha de resposta e repúdio, sendo que no dia seguinte, 03 de outubro, centenas de mulheres foram em marcha ao Palácio Piratini (sede do Poder Executivo estadual) repudiando a repressão da polícia militar. Definitivamente, o conflito de 4ª geração no ambiente interno de um país está marcado pela condição de postar e distribuir conteúdos de distintos formatos e alinhando-se com uma causa ou pela reação a esta causa.

Eduardo Cunha caminha para o cadafalso, mas o transe reacionário continua

Está instaurada pelo Conselho de Ética da Câmara a investigação para apurar se Eduardo Cunha (PMDB-RJ) incorreu na quebra de decoro e logo, pode vir a ser cassado pelos pares. Tudo bem que o requerimento foi iniciativa das bancadas da REDE e do PSOL, o que de cara anuncia escassez de votos, mas isso pode ser usado para acuar ou o cardeal líder do baixo clero, ou fazer com que as avançadas pouco republicanas de Cunha coloquem o governo de Dilma (ou o que deste resta) contra a parede. Para Lula - agora alvo direto da Operação Zelotes através de sua família - tal como era da Lava-Jato - a mesma operação que pegara as contas de Cunha na Suíça - isto vem a calhar, obrigando a mídia de porte a tirá-lo um pouco da vitrine, apesar das recentes capas das revistas semanais Veja e Época.

Meu temor neste momento não é Cunha cair - se for, já vai tarde de onde nunca deveria haver estado - mas justamente esse requerimento operar como uma operação de bombeiro para os escândalos do governo. O maior dano já está feito, tanto da parte de Cunha como do pacto lulista. O primeiro anuncia em alto e bom som que é contra as políticas compensatórias e de reconhecimento promovidas, de forma tímida e por vezes envergonhada, pelo pacto do lulismo. Já o próprio pacto, é inclusivo, mas conservador, logo, opera como reforço dos valores do sistema, empurrando mais de 40 milhões de brasileiros para o justo mundo dos direitos mas também para o universo do capitalismo de consumo suntuoso. Isso sem estabelecer as bases de desenvolvimento necessário para alcançar o longo prazo. Resultado: agora que o modelo entrou em crise de fim de ciclo, o cinto aperta um pouco e todos nós estamos como mareados, mesmo para quem está à esquerda do governo como é o caso deste que aqui escreve.

De todas as maneiras, com ou sem o aproveitamento tático por parte do lulismo e de seus sócios mais diretos - a banca e as empreiteiras, sócios majoritários de quase todos os governos a primeira, e eleitos campeãs nacionais as segundas - somente e tão somente por um de seus vários projetos de lei já valeria a pena cassá-lo por oito longos anos e cortar a cabeça da serpente de quem tem cara e preparo para falar na Câmara pelo pior do Brasil, a Bancada conjunta BBBB (Bíblia-Boi-Bala-Bola). Eduardo Cunha é o autor do Projeto de Lei 5069 de 2013, alterando a Lei 12,845, que na prática, autoriza a pílula do dia seguinte para o caso de estupro. Como a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou o andamento do PL de Eduardo Cunha, nós estamos diante de um elogio indireto à violência de gênero, autorizativo do aborto na prática.

Com essa e mais uma série de estripulias neoconservadoras - como o modelo de família, a campanha contra o que acusam ser a "ideologia de gênero", Eduardo Cunha consegue estar à frente de gente do quilate de Marco Feliciano (PSC-SP) e do viúvo da ditadura capitão Jair Bolsonaro (PP-RJ). Com esta capacidade de liderança, já tivemos o golpe da PEC da Redução da Maioridade Penal através de uma manobra parlamentar digna de um fabricante profissional de salsicha (na madrugada de 2 de julho de 2015), além da mesma Emenda haver tramitado já positivamente na CCJ do Senado. O mesmo ocorrera com o PL das terceirizações (PL 4330/2004). Cunha botou para andar a pauta mais horrenda do Brasil e o trator continua devastando os direitos constitucionais. A última veio através do genocídio institucional, com a aprovação da Comissão Especial de Terras Indígenas a PEC de Omar Serraglio (PMDB-PR) que dá a potestade para o parlamento da última definição das terras ancestrais dos povos originários.

A atual Legislatura não para por aí. Na 4a dia 28 de outubro, o Senado aprovou o substitutivo do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), que não exclui o protesto social do crime de "terrorismo". Como o texto veio da Câmara com essa especificação - na prática garantindo os direitos constitucionais ao protesto social - agora Cunha pode manobrar à vontade fortalecendo sua posição de barganha junto ao governo.

O transe reacionário vai continuar e a ex-esquerda já se perdeu pelo caminho

O transe reacionário e inflexão do governo à direita do que fora prometido no segundo turno da campanha presidencial de 2014 fez do país um celeiro do pior do conservadorismo somado a ataques neoliberais de todos os lados. Para uma política profissional como a nossa, Eduardo Cunha torna-se espelho de seus pares. Já o pacto lulista e seus operadores líderes, passaram dos limites da quebradeira ideológica, vivendo em propriedades de terceiros e com formas de vida nababescas para quem vem de origem assalariada. Nunca a esquerda brasileira foi tão refém de seus hábitos, havendo incorporado as malditas formas de vida dos antigos adversários e inimigos de classe. Temos um longo caminho pela frente para reconstruir a ideia de democracia por esquerda - direta obviamente - e uma luta tática importante para confrontar este reacionarismo crescente no país.

Bruno Lima Rocha é professor de ciência política e de relações internacionais

Site: www.estrategiaeanalise.com.br
Email: strategicanalysis@riseup.net
Facebook: blimarocha@gmail.com

This page can be viewed in
English Italiano Deutsch
Employees at the Zarfati Garage in Mishur Adumim vote to strike on July 22, 2014. (Photo courtesy of Ma’an workers union)

Front page

Reseña del libro de José Luis Carretero Miramar “Eduardo Barriobero: Las Luchas de un Jabalí” (Queimada Ediciones, 2017)

Análise da crise política do início da queda do governo Temer

Dès maintenant, passons de la défiance à la résistance sociale !

17 maggio, giornata internazionale contro l’omofobia.

Los Mártires de Chicago: historia de un crimen de clase en la tierra de la “democracia y la libertad”

Strike in Cachoeirinha

(Bielorrusia) ¡Libertad inmediata a nuestro compañero Mikola Dziadok!

DAF’ın Referandum Üzerine Birinci Bildirisi:

Cajamarca, Tolima: consulta popular y disputa por el territorio

Statement on the Schmidt Case and Proposed Commission of Inquiry

Aodhan Ó Ríordáin: Playing The Big Man in America

Nós anarquistas saudamos o 8 de março: dia internacional de luta e resistência das mulheres!

Özgürlüğümüz Mücadelemizdedir

IWD 2017: Celebrating a new revolution

Solidarité avec Théo et toutes les victimes des violences policières ! Non à la loi « Sécurité Publique » !

Solidaridad y Defensa de las Comunidades Frente al Avance del Paramilitarismo en el Cauca

A Conservative Threat Offers New Opportunities for Working Class Feminism

De las colectivizaciones al 15M: 80 años de lucha por la autogestión en España

False hope, broken promises: Obama’s belligerent legacy

Primer encuentro feminista Solidaridad – Federación Comunista Libertaria

Devrimci Anarşist Tutsak Umut Fırat Süvarioğulları Açlık Grevinin 39 Gününde

The Fall of Aleppo

Italia - Ricostruire opposizione sociale organizzata dal basso. Costruire un progetto collettivo per l’alternativa libertaria.

Recordando a César Roa, luchador de la caña

© 2005-2017 Anarkismo.net. Unless otherwise stated by the author, all content is free for non-commercial reuse, reprint, and rebroadcast, on the net and elsewhere. Opinions are those of the contributors and are not necessarily endorsed by Anarkismo.net. [ Disclaimer | Privacy ]